Destaques — 15 março 2014
Hábitos orais persistentes

Os hábitos de sucção e de morder objetos fazem parte da fase oral da criança em desenvolvimento.  A oralidade é o ato mais primitivo do desenvolvimento da personalidade do indivíduo e baseia-se no fato do interesse e prazer infantis de concentrarem-se na boca.

A sucção é um reflexo primitivo, inato e fisiológico de grande importância para a sobrevivência dos bebês, sendo fundamental nos primeiros meses de vida, pois permite a amamentação. É também a forma como a criança se comunica com o mundo, suprindo suas necessidades psicoemocionais de amor, segurança e bem estar.

Essa atividade neurológica e natural inicia-se na vida intra-uterina e permanece até cerca do oitavo mês de vida. Portanto, a sucção como função de nutrição não é tão prioritária a partir do oitavo mês de vida.

Nesse período ocorre a maturação do sistema mastigatório, além do surgimento dos primeiros dentes, devendo haver o estímulo da mastigação, que ao contrário da sucção, é aprendida.

A estimulação da mastigação faz-se pelo uso de alimentos de texturas e consistências diferentes, os músculos mastigatórios são estimulados pelos alimentos de maior consistência, pois o aumento de ciclos mastigatórios provocados por esses alimentos exercitam esses músculos.

A necessidade de sucção e a sensação de fome ocorrem juntas. Devem ser saciadas ao mesmo tempo, permitindo que o bebê adormeça. Quando a necessidade de sucção do bebê não é satisfeita, a última alternativa é a chupeta. Só que passada a fase da necessidade de sucção, se o uso da chupeta é muito intenso, o hábito torna-se automatizado.

Os hábitos orais persistentes são classificados em nutritivos e não nutritivos. O hábito da chupeta é não nutritivo, assim como: chupar dedo, lábios e onicofagia; o da mamadeira é nutritivo, mas pode se tornar não nutritivo, com a criança segurando a mamadeira pelo bico. A mamadeira é considerada um hábito persistente, quando há recusa a passar para o copo.

As estruturas faciais em desenvolvimento na infância não seguem um padrão de crescimento genético imutável, pois as forças e estímulos ambientais modelam até um determinado limite a expressão genética.

Portanto, os hábitos de sucção persistentes podem deixar alterações na posição e na relação entre os dentes como nas estruturas musculares orais, alterando padrões de mastigação, fonação, respiração e deglutição.

As alterações oclusais mais comuns são: mordida aberta, mordida cruzada, sobremordida, mordida profunda.

A função da mastigação, que é aprendida  por volta de 1 ano de idade, pode não ser totalmente desenvolvida. Além disso, os movimentos alterados de língua, provocado por estes hábitos podem influir ainda mais no desenvolvimento da maloclusão.

A abordagem dos hábitos orais persistentes, requer, muitas vezes uma estratégia multiprofissional para ser tratada. Envolve a fonoaudiologia, Pediatria, Psicologia, Odontopediatria, Otorrinolaringologia, Ortopedia e Ortodontia.

* Lúcia Coutinho

 “As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de Odontopediatria, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia, Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”

Artigos Relacionados

Share

About Author

Marta Meireles

Pequena descrição falando de cada membro (médico ou colaborador) do site.

(0) RComentários dos Leitores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>