Destaques — 06 abril 2013
Aspectos psicológicos durante o tratamento odontológico infantil

É muito importante que a criança e a família estejam motivadas para o tratamento odontológico, seja ele de natureza preventiva ou curativa.

O tipo de abordagem e o momento para a realização do exame clínico, e posteriormente o tratamento, serão decididos pelo profissional.

 Comportamento da criança

No enfoque preventivo, temos condições favoráveis em vários métodos de abordagem. A parte educativa inicia-se com a gestante, diminuindo a sua ansiedade e preparando-a para sua nova fase. Com a criança, podemos iniciar os cuidados aos seis meses, quando estabelecemos um vínculo com ela.

A criança “fácil” reage positivamente,é aquela que tem comportamento estável. A criança “difícil” reage negativamente a estímulos, a eventos novos, mudanças, novos alimentos.

O processo de adaptação é árduo, mas quando se adapta, fica feliz. Temos também a criança que não é negativa ao responder coisas novas, mas mostra uma resistência passiva, sendo considerada criança de condicionamento lento.

Independentes das características emocionais e comportamentais, todas obterão sucesso no tratamento quando assistidas por um bom profissional.

Se a abordagem for curativa, o tratamento terá o objetivo de restaurar a saúde bucal, reduzindo o número de bactérias na boca, com condições de realizar uma boa higiene dentária, diminuindo assim, o risco da doença.

Empatia com o profissional

O aprendizado da criança abrange segurança, confiança, curiosidade e comunicação, fazendo-se entender e ser entendida, pois muitas vezes ela se expressa de forma indireta.

A mãe deve estar atenta na comunicação do profissional com seu filho, observando se este reconhece as emoções da criança, se há empatia.

O profissional deve saber orienta e impor limites, sem banalizar ou criticar os sentimentos da criança.

 

Posições na cadeira odontológica

Até os dois anos de idade, a criança tem fortes laços emocionais e físicos com a mãe, sentindo-se segura com a proteção dela, que poderá ajudá-la numa contenção( no colo, corpo a corpo, ou de mãos dadas). Mas algumas crianças com dois anos são confiantes e tranqüilas  e podem ser tratadas na própria cadeira

Dos três aos sete anos, a criança já sabe controlar as emoções e se expressa de maneira mais clara, conseguindo manter um relacionamento através dessa melhor comunicação.

É importante lembrar que alguns sinais como, por exemplo, perda de apetite, pesadelos  ou queixas de dor podem ser sintomas de esquiva e fuga da consulta. O profissional deve estar seguro, porque posturas com falta de troca verbal e comportamento reforçam a idéia de que a situação é perigosa, e isso pode levar sofrimento.

Aspectos comportamentais

Os procedimentos educativos e preventivos, quando bem encaminhados, acabam por gerar a adesão da criança e dos pais ao tratamento. O resultado será o sucesso do programa de promoção de saúde bucal, não somente para o momento, mas também ao longo da sua vida.

Observa-se que o número de criança com medo diminuiu, dentro dos consultórios de odontopediatria, a partir do momento em que os bebês passaram a freqüentá-los . A explicação é que os bebês vão se adaptando gradativamente ao novo ambiente, no decorrer dos anos.

Podemos considerar normal chorar nas primeiras visitas dentro do consultório odontológico. Nessa fase, a criança não sabe se expressar e se comunica através de símbolos e comportamentos que representam palavras, como bater pernas, braços, choros, o que é até muito sadio dentro de tal faixa etária.

A criança não é estática, é dinâmica, tem muita energia. Para eles, ficar sentado numa cadeira de boca aberta é “muito”.Eles querem mais é brincar. Não relacionam causa e efeito, sabem que estamos olhando dentes, mas não entendem a razão.

Embora as crianças nessa faixa etária possam chorar, existem crianças que nos surpreendem com seu comportamento super tranqüilo.

Temos que entender, portanto, que não existe uma criança igual à outra, uma mente, personalidade, ou comportamento igual ao outro.

Logo, o profissional tem de ter conhecimentos psicológicos para conduzir o paciente com diferentes aspectos comportamentais nas mais diferentes idades.

Não só os pais educam e motivam seus filhos na saúde oral, como também os profissionais.

 * Livro Saúde Bucal do Bebê ao Adolescente; Corrêa, M.S.N

Artigos Relacionados

Share

About Author

Marta Meireles

Pequena descrição falando de cada membro (médico ou colaborador) do site.

(0) RComentários dos Leitores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>