Destaques — 23 fevereiro 2013
Mordida Aberta

A mordida aberta é uma das maloclusões que afetam as arcadas no sentido vertical, provocando uma ausência de contato entre os dentes das arcadas opostas, quando em oclusão cêntrica, podendo o problema estar localizado na região anterior, posterior,ou, de forma combinada, haver ausência de contatos tanto na região anterior como em extensa parte da região posterior, muitas vezes com contatos apenas nos últimos molares.

Essa maloclusão, embora seja percebida e caracterizada pela ausência de contatos entre os dentes das arcadas opostas, engloba uma enorme variedade de condições no que diz respeito à etiologia, origem, localização, extensão do problema e possibilidades terapêuticas.

O estudo de todos esses fatores em separado é importante para estabelecer uma compreensão acerca da condição. Todavia, é a correta correlação entre todos esses fatores a serem apresentados, com o estabelecimento da verdadeira importância de cada um em cada caso específico, que vai permitir construir um diagnóstico preciso e estabelecer um tratamento adequado para garantir não só a qualidade dos resultados, mas a estabilidade dos mesmos.

Etiologia

A mordida aberta tem origem multifatorial; assim, sua ocorrência está relacionada a uma combinação de diversas variáveis que vão atuar dentro do potencial do crescimento inerente de cada indivíduo. Essas variáveis abrangem uma enorme gama de fatores anatômicos – esqueléticos, musculares e de outros tecidos moles, além da relação com hábitos.

A interação dessas múltiplas variáveis é que determina a ocorrência do problema e a gravidade com que ele se representa. Por exemplo, um mesmo hábito, com as mesmas características, em uma criança com tendência a apresentar os planos horizontais da face divergentes, pode acarretar uma grande mordida aberta, enquanto, numa criança com tendência a apresentar convergência desses planos, o efeito pode nem mesmo estar presente.

Embora os fatores etiológicos sejam didaticamente apresentados em separado, essa complexa interação que ocorre entre eles é fundamental para o estabelecimento do problema, e, muitas vezes, a dificuldade de mensurar a importância de cada um dificulta as decisões do plano de tratamento.

Os fatores etiológicos dessa condição podem basicamente ser divididos em:

* Hábitos viciosos;

* Hiperplasia dos tecidos linfáticos com respiração bucal;

*  Alterações de crescimento;

* Forças oclusais eruptivas e anquilose

Abordaremos cada um dos tópicos acima nas próximas publicações!

 * Fonte: Livro - Ortodontia fundamentos e aplicações clínicas; Almeida;M.A.O; Quintão;C.C.A; Junior;J.C

“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de Odontopediatria, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia, Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”

Artigos Relacionados

Share

About Author

Marta Meireles

Pequena descrição falando de cada membro (médico ou colaborador) do site.

(0) RComentários dos Leitores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>