Destaques — 11 outubro 2012
Gravidez X Balança

A atual epidemia mundial de obesidade vem apontando o aumento de peso das mulheres em idade fértil e consequente aumento no ganho de peso gestacional.

Dados do IBGE apontam excesso de peso em 36% em mulheres entre 25 a 34 anos e 45,7% entre 35 a 44 anos.

A indicação de ganho de peso gestacional  é individualizada e leva em conta o IMC pré-gestacional.

Baseado no estado nutricional da mãe antes da gestação (baixo peso, peso adequado, sobrepeso ou obesidade), existem recomendações de ganho peso por trimestre, que devem ser rigorosamente monitoradas para a boa evolução da gestação.

É fundamental que já na primeira consulta a gestante seja submetida a uma avaliação antropométrica (peso habitual, peso atual e altura) para identificação do estado nutricional.

Ela deve ser prontamente informada pelo seu médico sobre o ganho de peso esperado por período e na gestação total.

Paralelamente, ela deve receber orientação nutricional em relação aos ajustes alimentares e comportamentais necessários para o alcance das metas definidas.

O desenvolvimento ou manutenção da obesidade durante a gestação está associado a riscos para a mãe e para o feto.

Vale ressaltar que mulheres que ganham peso dentro dos limites sugeridos têm menor chance de ter filhos com peso abaixo ou acima do recomendado.

O ganho de peso inadequado leva a complicações durante a gestação e maior risco de manutenção de excesso de peso pós parto, contribuindo para a instalação ou manutenção de sobrepeso e obesidade e todas as patologias associadas: hipertensão, diabetes, alterações de colesterol e doença cardiovascular.

O desenvolvimento de diabetes gestacional é três vezes maior em gestantes obesas do que na população geral, sendo assim, recomenda-se a pesquisa de diabetes gestacional já no primeiro trimestre em gestantes com obesidade prévia.

O quadro regride ao final da gestação, mas vale lembrar que mães que desenvolveram diabetes gestacional possuem risco dobrado de desenvolver a doença no futuro, comparada com mães magras que tiveram o quadro durante a gestação.

O ganho de peso gestacional excessivo também está ligado a maior risco de infecções urinárias durante a gestação, trabalho de parto prolongado,  pré-eclâmpsia, partos pós-termo, maior chance de parto cesárea, períodos de hospitalização mais longos e macrossomia fetal (bebês acima de 3,500 kg).

Hoje já são bem estabelecidas as relações entre ganho de peso excessivo, diabetes gestacional,  bebês macrossômicos e maior risco  dessas crianças desenvolverem obesidade na vida adulta.

*Vera Regina Mello Dishchekenian 

“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de Odontopediatria, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia, Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia , Pediatria  e outras especialidades”



Artigos Relacionados

Share

About Author

Marta Meireles

Pequena descrição falando de cada membro (médico ou colaborador) do site.

(0) RComentários dos Leitores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>