Destaques — 26 julho 2012
Aleitamento Artificial – Hábito Prejudicial?

Um dos primeiros hábitos prejudiciais da primeira infância é o uso da mamadeira, que promove a satisfação da fome mais rapidamente, sem a necessidade de esforço para  a criança sugar, levando a um posicionamento incorreto da língua e baixo desenvolvimeno dos músculos da face.

Apesar das campanhas educativas sobre aleitamento materno promovidas pelo Ministério da Saúde e outros órgãos, da ação dos hospitais Amigo da Criança e do desincentivo ao uso de mamadeira, estudos apontam para dois momentos críticos de introdução da mesma: próximo ao nascimento e por volta dos 6 meses de idade.

O primeiro momento justifica-se pelas dificuldades na implantação da amamentação,  muitas vezes refletida no baixo ganho de peso e consequente  introdução de fórmula infantil ou ainda leite de vaca, geralmente oferecidos em mamadeira para complementar ou substituir o leite materno.

O segundo dá-se com a introdução da mamadeira devido ao retorno da mulher ao trabalho, momento caracterizado por muitos conflitos como a escolha de um cuidador, creche ou berçário e uma nova maneira de alimentar a criança. Nesse momento, é fundamental que o profissional de saúde investigue as dificuldades apresentadas pela mãe e ofereça suporte sobre a  continuidade da amamentação, técnicas de ordenha e armazenamento do leite humano.

O aprendizado correto da técnica de sucção pode sofrer interferências quando o  recém-nascido tem contato com bicos artificiais (chupeta, mamadeira ou protetores de mamilo) por sua habilidade limitada em adaptar-se  a novos bicos, podendo levar ao desmame precoce.

Destacam-se entre os principais problemas relacionados à alimentação nesse período a curta duração do aleitamento materno, oferta do leite de vaca no primeiro ano de vida, introdução precoce da alimentação complementar, consistência inapropriada das papas, baixa densidade energética (sopas ao invés de papas salgadas), baixa oferta de frutas e hortaliças, contaminação no preparo e armazenamento, engrossamento de mamadeiras com farinhas e mucilagens e  alta oferta de alimentos industrializados ricos em açúcar gordura e sal, geralmente presentes na rotina da família.

* Vera Dishchekenian

“As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de Odontopediatria, Ortopedia Funcional dos Maxilares, Ortodontia, Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Pediatria e outros especialistas”

Artigos Relacionados

Share

About Author

Marta Meireles

Pequena descrição falando de cada membro (médico ou colaborador) do site.

(0) RComentários dos Leitores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *